Nota de esclarecimento

TAE`s decidem por acompanhar o movimento nacional de luta e mobilização, do próxima 15 de maio
13 de maio de 2019
Organização em favor da educação pública e contra a reforma da Previdência
16 de maio de 2019
Exibir tudo
Nota de esclarecimento

O Sindicato dos Servidores Federais em Educação de Pelotas e Capão do Leão (ASUFPel), vem a público esclarecer a população pelotense sobre o motivo pelo qual, a categoria aderiu a Greve do dia 15 de maio de 2019, “Dia Nacional de Luta em favor da Educação Pública”. O Governo Federal usando de artimanhas mesquinhas e controversas, cortou em média 30% no orçamento das Instituições Federais de Ensino (IFES), no caso da Universidade Federal de Pelotas, o corte foi de R$ 21 milhões a menos nos recursos de custeio e R$ 7 milhões na verba de capital, destinada a investimentos em infraestrutura e obras.

O resultado deste esfarelamento dos investimentos no orçamento acarreta sucateamento nos equipamentos e a pouca qualidade nos serviços prestados. O fato é que sem esses recursos, previamente destinados, a Universidade fica inviabilizada, impedida de manter o quadro de trabalhadores terceirizados, sem falar da possibilidade de não conseguir arcar com despesas básicas, como: a de energia elétrica, água e a do telefone. O corte de 30% no orçamento das Instituições Federais de Ensino é uma afronta ao ensino público, gratuito, de qualidade, laico e socialmente referenciado, pelo qual o ASUFPel-Sindicato sempre lutou. Segundo a gestão da Universidade, caso o corte não seja revertido até setembro de 2019, não haverá recursos para o ensino, a pesquisa e a extensão, bolsas de iniciação científica, transporte de apoio aos alunos ou subsídio no preço das refeições oferecidas no restaurante universitário.

Assim sendo, os TAE`s de Pelotas e região somam-se aos demais trabalhadores da educação pública, exigindo que os valores destinados a UFPel pela Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) sejam encaminhados, e que o Governo Federal comece a tratar a educação com respeito e clareza nos encaminhamentos.

– Contra os cortes na educação pública;
– Contra os cortes nas bolsas de ensino e pesquisa;
– Contra a reforma da Previdência e a chantagem que sem ela teremos que cortar em outras pastas;
– Contra a mercantilização da educação;
– A favor da aprendizagem do livro, e não da arma!

Pelotas, 14 de maio de 2019
A Coordenação